"Pequena história destinada a explicar como é precária a estabilidade dentro da qual acreditamos existir, ou seja, que as leis poderiam ceder terreno às exceções, acasos ou improbabilidades, e aí é que eu quero ver" (Julio Cortázar)


terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Encontrarte

Madeleine Alves

O homem-pássaro
e a mulher-borboleta
caminham no centro de uma outra margem.

Independentes entre si e do mundo
o que os une?
O Uno
A alma
O olhar

Ele inquire nuvens
Ela eclipsa-se entre flores:
buscam a essência do mundo.

Ela não sabe de seus silêncios
Ele não sabe de sua eloquente timidez:
não se sabem, descobrem-se.

Reside aí o roteiro sem rota
dos voos de asas antigas
cujo amanhã pouco se sabe
cujo presente muito se sente.
Pressente:
Obra aberta.

Nenhum comentário: