"Pequena história destinada a explicar como é precária a estabilidade dentro da qual acreditamos existir, ou seja, que as leis poderiam ceder terreno às exceções, acasos ou improbabilidades, e aí é que eu quero ver" (Julio Cortázar)


terça-feira, 31 de outubro de 2017

Uno Verso

Madeleine Alves

Meu verbo vem do traço
de asas na areia
e bolhas de sabão
que sobrevoem sorrisos em almas alheias.

Substantivo quando nomeio
o indizível efêmero
da brisa que flutua o ipê rosa
o ipê amarelo
e as espirais concêntricas do núcleo da gérbera.

Adjetivo o salto de plenitude
quando saias giram
e a energia cósmica centrífuga
abre os braços para as Luzes místicas.

- Yin, defino.
- Yang, alastro...

Meus predicados são feitos de crianças imaginativas
barcas que cortam ondas ao por do sol
e o bico de pena é sujeito que o rabo do gato desenha no ar.

Só me interessa o universal:
o uno-verso viver afrouxando o cinto do banal.

Nenhum comentário: