"Pequena história destinada a explicar como é precária a estabilidade dentro da qual acreditamos existir, ou seja, que as leis poderiam ceder terreno às exceções, acasos ou improbabilidades, e aí é que eu quero ver" (Julio Cortázar)


sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Da Ponta

Madeleine Alves

Chapéus de sol pousam
sobre a cabeça do horizonte.
Lá, onde desponta o poente
e seus matizes de versos.
Marejam olhos ao mar
trespassados de pontiagudas torres.
Fragatas naufragam e decolam
e tudo é lucivoo 
entre o monte e a mente.
Do navio que singra
à alma que sangra
- e suspira -
ondas suspensas cortadas
por filetes de cascos.

Tudo passa
e outro sim permanece.

Nenhum comentário: