"Pequena história destinada a explicar como é precária a estabilidade dentro da qual acreditamos existir, ou seja, que as leis poderiam ceder terreno às exceções, acasos ou improbabilidades, e aí é que eu quero ver" (Julio Cortázar)


domingo, 13 de maio de 2018

Redesperta!

Madeleine Alves

E porque aquele olhar a penetrava
poro a poro
como pena no tinteiro da caneta.
E reescrevia em terra árida
- ressequida e esquecida -
um sem-fim fértil de desejos.

E de ensejo em ensejo,
como abrupto encontro em dia de garoa,
a pele da terra refresca-se
de arrepio...

E se lembra de que é boa
a tempestade dos sentidos
que faz renascer a mulher
- e bota pra dormir a garota.

Nenhum comentário: