"Pequena história destinada a explicar como é precária a estabilidade dentro da qual acreditamos existir, ou seja, que as leis poderiam ceder terreno às exceções, acasos ou improbabilidades, e aí é que eu quero ver" (Julio Cortázar)


sábado, 30 de julho de 2016

Nem antes, nem depois

Madeleine Alves 

Na hora certa, 
os címbalos soarão a
cristalina cachoeira.

Na hora certa,
a tala ecoará o
cântigo dos cânticos. 

Na hora certa,
na seda dissolver-se-área
os amargores antigos.

Na hora certa,
rutilará no céu estrela derradeira 
para quem sempre esteve à margem, 
no centro de uma outra beira.

Nenhum comentário: