"Pequena história destinada a explicar como é precária a estabilidade dentro da qual acreditamos existir, ou seja, que as leis poderiam ceder terreno às exceções, acasos ou improbabilidades, e aí é que eu quero ver" (Julio Cortázar)


segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Carpe Diem

Madeleine Alves

Deixe que digo hoje
O que penso de ti.
Não amanhã — hoje;
Para que o amanhã não seja um hoje
Mudo da manha do que não disse...

Deixe que faço hoje
O que faço por ti.
Não ontem — hoje;
Para que o ontem não seja um hoje
Retumbante do precipício do que fiz...

Deixe que mostro sempre
O que você é pra mim.
Ontem, hoje, amanhã — sempre;
Para que só arda o bem que te dou
Sem nunca não ter dito tudo o que quis...

3 comentários:

Jessica Moraes disse...

que forte, Mad!
adorei!
hoje sempre. à vida.

Madeleine Alves disse...

Obrigada, Jess!! Ontem, hoje e sempre aos meus amigos queridos!!

Ricardo Santos disse...

Ótimo