"Pequena história destinada a explicar como é precária a estabilidade dentro da qual acreditamos existir, ou seja, que as leis poderiam ceder terreno às exceções, acasos ou improbabilidades, e aí é que eu quero ver" (Julio Cortázar)


quarta-feira, 25 de março de 2009

Nada em vôo


Madeleine Alves
Uma mente em ebulição.

Um estágio de letárgica atividade, algo que toca o intangível, pois quer se materializar.

Um sinal de pensamento que toca o físico e desperta as memórias de...

Um impulso de mudez que percorre o braço, a mão, a caneta... Um fluxo que vem e vem e vem e vem, ondas de consciência, plenas de efervescência e som.

De repente, a existência toda é como mergulhar no fundo do mar, todos os movimentos mudados, fluídos, pausados, líquidos... Todas as cores transformadas, diferentes da terra, esparramam-se, correm por entre os dedos, entram pelos poros, integram-se no é da coisa

E é como se toda a vida ansiasse por esse momento de ir ao fundo...

Espraiar os músculos...

Emergir e respirar à tona de um novo mundo ainda sedento de alguma idéia que não me ocorre

Ainda...

Nenhum comentário: