"Pequena história destinada a explicar como é precária a estabilidade dentro da qual acreditamos existir, ou seja, que as leis poderiam ceder terreno às exceções, acasos ou improbabilidades, e aí é que eu quero ver" (Julio Cortázar)


terça-feira, 19 de julho de 2011

Navio "Fênix"

Madeleine Alves

Quebrou-se a corrente.

Quedou-se um coração ao chão.

(Não foi o meu)


Caíram lágrimas

Correram pelo canal

Escoaram-se no mar.


Eu zarpei.

Não olhei pra trás.

Eu zarpei.


Singrei
Sangrei
Naufraguei
Afundei
Voltei

E zarpei...


Grávida de futuro

Sedenta de vida

Rumo ao horizonte...


Todos os faróis acenam

— o coração como capitão.

3 comentários:

Silvana Garcia disse...

Mad, esse é seu?
Tá mandando bemmm, garota!!!
Posso me sentir um pouco responsável por essa influência? Rs. Saudades, Beijossss, Sil. (Silvana - ex-letras)

Madeleine Alves disse...

Ow, minha querida!!! Super morro de saudades tuas também!!!

E pode se sentir SUPER responsável, porque certamente a tua influência está em muito do que faço ;D

Obrigada pelos elogios (e deste lado, há novas maravilhas??)!!!

Bjão!

Mad [/)]

Silvana Garcia disse...

Existem algumas, mas já não estou mais postando! Qualquer dia a gente se encontra e eu te mostro. Estou em terra, não sei até quando. Mas se quiser me liga, o celular é o mesmo. Vc ainda tem o número?