"Pequena história destinada a explicar como é precária a estabilidade dentro da qual acreditamos existir, ou seja, que as leis poderiam ceder terreno às exceções, acasos ou improbabilidades, e aí é que eu quero ver" (Julio Cortázar)


domingo, 28 de junho de 2009

Pause

Madeleine Alves


... e é hora de fechar a porta.

Fiquem lá fora, por favor,

a agenda, os dias, a hora.

É preciso cumprir o compromisso

de estar consigo mesmo

— e só.


Um copo de chá quentedoce

Um corpo deleita-se num banho morno

Uma, duas, palavras à esmo

Um sofá, um papel, uma caneta


Nada além do nada ao coisa nenhuma...

E no caos de tudo aquilo atrás da porta,

dá-se um jeito na segunda.

Um comentário:

Felicidade disse...

Amei a reflexão tudo contado em poesia fica mais bonito. Parabéns.